No ar:
Clube do Ouvinte - Jorge Augusto Gonçalves    20h10min às 22h00min

Ouvir!      Fale com o locutor/mural

» Geral » Polícia


15/09/2017 | 17h03min

Argentinos são presos pela PRF, em Santiago, transportando galos de rinha em condições de maus tratos

Um total de 17 galos e acessórios utilizados para rinha foram apreendidos em uma camioneta argentina

Fotos: Polícia Rodoviária Federal/divulgaçãoFotos: Polícia Rodoviária Federal/divulgação

Na manhã desta sexta-feira (15), durante fiscalização realizada pela PRF em frente à sua Unidade Operacional localizada na BR 287 em Santiago, foi abordado um veículo VW Amarok argentino conduzido por um homem de 37 anos que estava acompanhado de um passageiro de 39 anos, ambos de cidadania argentina.

 

Ao vistoriar o veículo os agentes encontraram em seu interior 17 galos que eram transportados dentro de sacos plásticos com pés amarrados com fita, além de 3 filhotes que estavam dentro de uma caixa de papelão. Foram encontradas, também, esporas, biqueiras e mais uma lista que comprovava a utilização das aves para rinha, além de 30 mil pesos argentinos em dinheiro.


Foi solicitado apoio da Polícia Ambiental da Brigada Militar de Santiago e da médica veterinária responsável pelo Centro de Zoonose de Santiago, que atestou a situação de maus tratos.

 

Após verificação dos fatos, os homens foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil de Santiago para o registro de crime ambiental tipificado no artigo 32 da Lei 9605/98: “Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”. Os objetos foram apreendidos e os animais encaminhados para o setor de controle de zoonoses da prefeitura.
 


Veja também:


18/10/2017 | 11h00min

» Educação: Professora de Pedagogia da URI Santiago participa de missão acadêmica na Argentina

18/10/2017 | 10h12min

» Economia: Ministério da Fazenda autoriza aumento das tarifas de serviços dos Correios

18/10/2017 | 09h50min

» Educação: Inscrição promocional ao vestibular neste sábado


Comentários:


Voltar ao topo