No ar:
Santiago Atualidade - Paulo Pinheiro    10h00min às 11h25min

Ouvir!     

» Geral » Segurança


09/03/2018 | 10h09min

17 das 50 cidades mais violentas do mundo ficam no Brasil

Natal aparece em quarto lugar do ranking, com taxa de 102,56 homicídios por 100 mil habitantes

Foto: Ieda BeltrãoFoto: Ieda Beltrão

A ONG mexicana Segurança, Justiça e Paz faz, todo ano, um levantamento com base em taxas de homicídios em todo o mundo. O último deles, divulgado nesta semana, mostra a dimensão da violência no país: das 50 cidades mais violentas do mundo, 17 estão aqui no Brasil.

 

Natal aparece em quarto lugar no ranking mundial, com 102,56 homicídios por 100 mil habitantes. Para se ter uma ideia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera a taxa acima de 10 homicídios por 100 mil habitantes como característica de violência epidêmica.

 

Fortaleza também teve destaque no relatório por conta da taxa de homicídios ter subido 85% entre 2016 e 2017. A capital cearense ficou em sétimo lugar no ranking. São Paulo, por exemplo, teve taxa de 8,02 homicídios por 100 mil habitantes em 2017. Já o Rio de Janeiro, que vive uma crise de segurança pública, viu a taxa crescer de 29,4, em 2016, para 32 homicídios por 100 mil habitantes no ano passado.

 

Por outro lado, três cidades brasileiras que figuravam no ranking em 2016 deixaram a lista de lugares mais violentos: Curitiba (PR), Cuiabá (MT) e São Luís (MA).

 

O estudo aponta também que a América Latina é o continente com o maior número de cidades violentas do mundo: das 50 listadas no ranking, somente oito não são latino-americanas. Doze das cidades estão localizadas no México, país que possui vários cartéis de drogas.

 


Veja também:


19/09/2018 | 09h49min

» Meio Ambiente: Rio começa a multar comerciantes por uso de canudo de plástico

19/09/2018 | 09h25min

» Memória: Unesco estima em 10 anos prazo para restauração do Museu Nacional

19/09/2018 | 09h23min

» Loteria: Mega-Sena acumula e deve pagar prêmio de R$ 17 milhões nesta quinta


Comentários:


Voltar ao topo